Em tempos de crise, é preciso saber a diferença entre Valor e Preço

Escrito por Vitor Tosetto.

Construção sustentável agrega valor.

Durante o processo de compra e venda de um imóvel, o cliente fatalmente irá perguntar “Qual o preço?” ou “Qual o valor?”. Independentemente de qual expressão seja escolhida pelo interessado no imóvel, o que se deseja saber é quanto em dinheiro será preciso desembolsar para se apropriar do bem.

Para a maioria das pessoas não há distinção entre as perguntas usadas pelo cliente, mas corretores e construtores precisam entender bem a diferença entre VALOR e PREÇO.

O PREÇO nada mais é do que a quantia de dinheiro que deve ser paga para a aquisição de algum bem ou serviço. Por outro lado, VALOR é algo um pouco mais complexo, pois pode variar de acordo com cada pessoa. A explicação mais simples e precisa que já encontrei sobre a diferença de valor e preço pertence ao bilionário americano Warren Buffet, que disse: “Preço é o que você paga, valor é o que você ganha”.

Vou exemplificar para facilitar a compreensão. Como estamos nos referindo a imóveis, imagine que uma casa térrea com 120 m² e amplo jardim, de um paisagismo impecável, pode ter um valor enorme para um casal de idosos, já que poderão passar um bom tempo em um ambiente aberto, agradável e na companhia de pássaros e plantas. Neste caso, duvido que este casal de idosos faria a compra de um imóvel simplesmente considerando o preço por m². Para eles não importa se a casa vizinha, de 200 m² e com quintal todo de concreto, custa 10% a menos. O valor percebido pelo casal na casa menor, de 120m² e com jardim impecável, é muito maior. Ou seja, a sensação de estar realizando um bom negócio é muito maior ao optar por pagar mais caro pela casa menor.

Talvez você não concorde com o exemplo que apresentei ou ache que isso é apenas uma suposição. Mas você concordará comigo que contra fatos não há argumentos. Em matéria publicada recentemente pela revista IstoÉ Dinheiro, em 10/02/2017, é apresentado que as construções sustentáveis já possuem um valor de mercado superior ao das construções convencionais. O preço de locação de imóveis sustentáveis no Rio de Janeiro é de até 24% maior, enquanto em São Paulo a diferença é de 10%. Na região da Av. Faria Lima, na capital paulista, esta diferença chega até a 40%. As vantagens econômicas não param por aí.

A taxa de vacância em prédios sustentáveis é 7% menor no Rio e 9,5% menor em São Paulo. O custo do condomínio de edifícios tradicionais é 25% mais alto no Rio, e 25% maior em São Paulo, quando comparado às taxas de edifícios sustentáveis.

Mas, por que o mercado está aceitando um preço maior para as construções sustentáveis? Tente adivinhar. Porque são projetos que agregam valor de verdade.

Em Governador Valadares é possível ver de perto um exemplo de um edifício sustentável, que agrega muito valor. Me refiro a nova sede¹ da empresa Controle Prestação Serviços, referência na região no combate de pragas urbanas. Localizado no bairro São Pedro, o edifício é o primeiro projeto do Brasil a ser desenvolvido seguindo os novos critérios de sustentabilidade da certificação internacional de construção sustentável LEED v4.

É fácil perceber o alto valor agregado a este imóvel. Com uma arquitetura diferenciada, o edifício eliminou a necessidade de uso de ar-condicionado, alcançado uma economia de energia de 88%. Sendo que 100% da energia consumida é proveniente de fontes renováveis. O consumo de água é 74% menor, graças, principalmente, aos mictórios secos e ao sistema de irrigação por gotejamento automatico. Durante a obra foram geradas 13 caçambas de resíduos, sendo que apenas 1 foi destinada ao aterro, ou seja, 94% dos resíduos foram reutilizados ou reciclados.

Além das vantagens ambientais, é importantíssimo citar ainda os benefícios sociais. Os funcionários da Controle trabalham em um ambiente com ar sempre renovado, todos os postos de trabalho com acesso visual às áreas externas, voltado para o paisagismo, e em boas condições de conforto térmico e iluminação. Tudo isso representa melhoria na saúde e bem-estar, proporcionando redução na taxa de absenteísmo² e maior produtividade. Somado a tudo isso, não podemos deixar de considerar a valorização da marca Controle perante ao mercado, que demostrou pioneirismo e preocupação com a causa socioambiental.

Importante notar que a sociedade está percebendo que a sustentabilidade é um caminho sem volta, e há uma forte tendência em valorizar produtos, serviços e marcas que priorizam as questões socioambientais. Portanto, jamais encare a venda de imóveis como a venda de commodities, há a possibilidade de incorporar valores significativos que prezam pela saúde e bem-estar das pessoas, além de contribuir para a conservação do meio ambiente.

¹A Controle possui um programa de visitação guiado e aberto à sociedade. Caso queira conhecer de perto as estratégias de sustentabilidade adotadas na nova sede, agende uma visita gratuita pelo site www.espaco.larverdelar.com.br.

²A taxa de absenteísmo corresponde à percentagem obtida a partir da relação entre o número de ausências e o número de presenças de um funcionário, num determinado tempo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado