BS#15: Projeto inédito na América Latina em SJC; Trump impede crescimento da energia solar; O desmatamento na Amazônia nunca vai acabar deste jeito.

Este artigo faz parte da série Boletim de Sustentabilidade, que traz um resumo das principais notícias sobre sustentabilidade publicadas na semana no Brasil e no Mundo.

Living Building Challenge

No dia 31/01, foi lançada a pedra fundamental do Projeto HabITAs, no DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial), em São José dos Campos.

Este é um projeto inédito na América Latina e posso dizer que vai fazer história.

O projeto será desenvolvido dentro do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) e terá duas frentes de atuação. A primeira é a reforma de uma casa projetada, em 1949, pelo Oscar Niemeyer. A segunda é a transformação de um pequeno edifício em desuso em uma Casa de Cultura.

O que torna este projeto tão especial é a busca pelo alto nível de sustentabilidade. Para a Casa Niemeyer a reforma atenderá os requisitos da certificação de construção sustentável AQUA-HQE. Já para a Casa de Cultura o objetivo vai além de minimizar os impactos negativos, queremos gerar Impactos Ambientais e Sociais Positivos. Para isso o projeto irá buscar a certificação de construção sustentável mais rigorosa do mundo, o Living Building Challenge (não existe ainda na América Latina nenhum edifício certificado).

A LarVerdeLar tem a enorme satisfação e orgulho de ter sido convidada para atuar como os consultores de sustentabilidade do Projeto HabITAs. Mais informações no site oficial http://projetohabitas.org/.

O Trump mais uma vez jogou a “nosso favor”. No dia 24/01, sancionou uma barreira tarifaria de 30% sobre os Painéis Fotovoltáicos importados, com o argumento de gerar novos empregos fomentando a indústria nacional. No entanto, a SEIA (Associação de Indústria de Energia Solar) alertou que esta media irá custar 23 mil empregos – reportagem completa. Um fato que não é mencionado pela reportagem é que o Trump sempre deixou claro que iria ajudar os mineiros, ou seja, a indústria carvoeira. Como não há a preocupação com o Aquecimento Global, desta forma o governado americano incentiva o uso do carvão como fonte de energia.

No dia 30/01, a UOL publicou uma matéria que explica muito bem porque o Brasil não consegue controlar o desmatamento na Amazônia. Dos 513 deputados federais eleitos, 249 receberam um total R$58,9 milhões em doações de empresas e pessoas físicas que estão na lista de autuados do IBAMA. Fazem parte da lista aqueles que desmataram e queimaram florestas, entre outros crimes ambientais.

As doações não foram ilegais, mas chama atenção a grande quantidade de doares de um mesmo setor (92 empresas e 40 pessoas físicas). Talvez estas doações explicam casos como: a aprovação da Medida Provisória 749 – conhecida como MP da Grilagem – aprovada em julho/2017 que permite a legalização de terras públicas ocupadas ilegalmente na Amazônia; e as votações que reduziram a proteção da Floresta Nacional do Jamanxim (PA) e de dois parques nacionais.

Com “esquema” como esse, como vamos acabar com o desmatamento na Amazônia?

Abraço e bom final de semana.

Receba Semanalmente o Boletim de Sustentabilidade!

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado